Política de sustentabilidade: “O que é um filme reciclado”

Política de sustentabilidade: “O que é um filme reciclado”

O Dr. Eberle, Diretor-Geral da FROMM Plastics GmbH, é um reconhecido especialista na indústria do plástico, com mais de 20 anos de experiência em I&D e trabalho com líderes da indústria com materiais virgens, reciclados e renováveis.

Possui um doutoramento em Química de polímeros aplicada e é membro da

  • European Plastics Reciclers (EUPR),
  • Industrievereinigung Kunststoffverpackungen – Forum PET
  • RAL Gütegemeinschaft “Wertstoffkette PET-Getränkeverpackungen e.V.”
  • Bundesverband Sekundärrohstoffe und En-tsorgung (bvse)

 

Dr. Eberle, cada vez ouvimos mais e mais sobre filme “reciclado” e parece que esta formulação abrange diferentes conceitos. Poderia dizer-nos o que significa filme “reciclado”?

Dr. Eberle: Na verdade, filme “reciclado” é um conceito bastante simples que significa que o filme é feito de matérias-primas recicladas. De acordo com as regras da UE, num filme reciclado deve ser exibida a quantidade mínima de matérias-primas recicladas utilizadas na sua produção, por exemplo, “contém mais de 20 % de material reciclado”.  Na prática, esta indicação essencial está muitas vezes ausente.

Se o conteúdo de matérias-primas recicladas é importante, o tipo de recuperação utilizada é ainda mais importante.

O que quer dizer com “tipo de recuperação”? Pode ser mais específico?

Dr. Eberle: Com certeza. Deixe-me primeiro definir o que é uma matéria-prima reciclada. Esta é uma matéria-prima que foi processada pelo menos uma vez por oposição ao material “virgem”, que nunca foi processado. Por processado, quero dizer utilizado num processo de transformação como extrusão ou injeção.

Assim, a matéria-prima reciclada mais comum é a sucata de produção que ocorre durante a extrusão ou injeção. Isto é chamado de recuperação industrial.  As especificações deste material são muitas vezes bem conhecidas e não muito diferentes das de um material virgem. A principal questão desta recuperação é frequentemente a cor quando o processo de extrusão é associado a uma impressão em linha.  A cor da recuperação torna-a por vezes difícil de reutilizar, pois os utilizadores finais geralmente querem um produto transparente ou claro.

Se a recuperação industrial é provavelmente o material reciclado mais limpo, a recuperação “pós-consumo” é a mais difícil de utilizar. Na verdade, pode vir de várias fontes e ser poluída de várias maneiras. Diversas poluições dificultam a limpeza. O processamento diversificado anterior pelo qual o material passou pode impactar substancialmente o seu desempenho e características. Cada lote de material pode vir de um lugar diferente e, portanto, pode ter diferentes especificações e, claro, diferentes cores. Escusado será dizer que este material é extremamente difícil de utilizar para um produto final que deve ser utilizado num processo de transformação, selagem por exemplo, ou apresentam desempenhos mínimos, resistência mecânica ou retenção de ar. Os sacos para lixo são a principal aplicação para filmes feitos de recuperação “pós-consumo”. A cor verde garrafa ou preta que a maioria dos sacos para lixo apresenta é uma ótima solução para resolver a variedade de cores da matéria-prima.

Isso significa que os filmes para aplicação sofisticada não podem ser feitos com conteúdo reciclado?

Dr. Eberle: Primeiro vamos ter de definir o que é uma aplicação sofisticada. Para simplificar, digamos que este termo abrange todas as aplicações onde o filme não está pronto para utilização mas, por exemplo, tem que ser selado ou termo-formado. Para aplicações médicas ou aplicações onde o filme está em contacto com alimentos, na maioria dos casos, não se utilizam filmes reciclados. Existem algumas resinas recuperadas “aprovadas para alimentação”, mas em quantidades bastante limitadas.

Os filmes podem ser compostos por uma ou várias camadas e podem também ser laminados. Num filme com apenas uma camada, a utilização de resina reciclada será mais limitada especialmente para filmes finos. No entanto, nos filmes com várias camadas, as resinas recicladas podem ser utilizadas na camada central. As camadas externa e interna ainda podem ser feitas de materiais virgens e, portanto, o desempenho do filme será muito semelhante ao de um filme que não contenha materiais reciclados. A resistência mecânica pode ser ligeiramente afetada, mas é sempre possível compensá-la aumentando ligeiramente o calibre do filme.

Obviamente, a utilização de material reciclado na camada central limita apenas a quantidade de conteúdo reciclado possível. Se as três camadas tiverem o mesmo calibre, então o conteúdo máximo reciclado seria de 33 %, assumindo que a camada central é 100 % de resina reciclada. A outra limitação será a cor da recuperação.

Portanto, parece muito fácil usar material reciclado para produzir um filme. O truque é colocar a recuperação na camada central!

Dr. Eberle: Talvez me tenha expressado de uma forma demasiado positiva!

Há várias questões, na verdade. A primeira é o fornecimento de material recuperado. Um processo de produção de filmes geralmente gera cerca de 2 % de resíduos. Isso não é suficiente para produzir um filme reciclado com, digamos, 20 % de recuperação! Portanto, a recuperação adicional deve ser fornecida e é muito improvável que esta venha apenas de um local.

Como resultado, as especificações da recuperação serão muito diferentes de um lote para outro e é um desafio garantir uma qualidade constante do filme no final do processo.

A segunda questão é a escassez da recuperação no mercado. Esta não está disponível em grandes quantidades e a oferta não é estável, tornando muito difícil garantir um conteúdo mínimo reciclado.

Agora entendo melhor o problema dos filmes reciclados. Como faz a gestão de tal problemática na FROMM e qual a sua filosofia para reduzir o impacto ambiental dos filmes plásticos?

Dr. Eberle: A sustentabilidade foi sempre muito importante na FROMM. Desde 2003 que temos vindo a desenvolver técnicas inovadoras para reciclar PET a partir de garrafas usadas, recuperação “pós-consumo”. Na nossa fábrica perto de Leipzig, reciclamos mais de 40 000 toneladas de PET todos os anos, o que faz da FROMM a maior recicladora de PET da Europa!

Utilizar materiais reciclados em vez de materiais virgens gera um enorme benefício ambiental. Isto economiza cerca de 1,2 toneladas de CO2 por cada tonelada de PE reciclado usado! É uma poupança de 70 %!

No entanto, para o nosso filme Airpad, a primeira coisa em que nos concentramos é na qualidade. Se o filme não funcionar corretamente, é uma fonte de desperdício ambiental pouco amiga do ambiente. Nós também controlamos a nossa linha de produção com muita precisão para reduzir ao máximo o desperdício. Não queremos reivindicar um alto conteúdo reciclado nos nossos filmes só porque não fizemos um bom trabalho no nosso processo de extrusão.

 

Então, a nossa abordagem é muito simples:

  • Utilizar resinas virgens
  • Utilizar a nossa própria recuperação industrial e oferecer um filme reciclado de várias camadas de boa qualidade em quantidade limitada.
  • Oferecer um filme biológico, em conformidade com a norma europeia DIN EU 13432.

E, claro, apoiamos os principais princípios ambientais: Reduzir, Reutilizar, Reciclar.

Garrafas PET usadas comprimidas quando chegam à nossa fábrica de reciclagem perto de Leipzig.

Material PET recuperado obtido após a transformação. Pode substituir o material virgem para o fabrico de vários produtos à base de plástico.

 

 

Materiais de acondicionamento / Posição ambiental »

Pedido de Informação»